quarta-feira, 1 de maio de 2013

Não olhe agora, estou olhando pra você...

Postado por Bruna Souza às 16:39
   Eu estava ali parada, sem esperar que nada em especial acontecesse naquele momento. Sinceramente não esperava que nada especial acontecesse por muito tempo durante aquele curso. Até que, durante aquele ritual de começo das aulas, onde cada um tem que falar seu nome e se apresentar para os demais, eu reparei que havia algo em especial naquela sala (tão comum e sem graça até então). 
   Um menino lindo, com covinhas no sorriso, e os olhos cor de mel que me encantam toda vez que eu olho para eles. Ele disse seu nome, e a partir disso eu nunca mais o esqueci.  
   Assim que cheguei em casa corri para pesquisar aquele nome que não saia mais da minha cabeça na lista de aprovados do curso, e eu achei. Peguei seu nome e sobrenome, corri para pesquisa-lo na rede social, e torci para que ele me aceitasse. E aceitou. 

   Eu toda tímida (mesmo que fosse através da internet, e ele não estivesse me vendo) tentei puxar assunto, mas até hoje eu não sei se você também tinha vergonha ou se realmente não queria falar comigo naquela hora. Meu coração disparava toda vez que eu o via na sala de aula. Por algum motivo eu queria me aproximar dele, conhece-lo melhor, e tinha muita vontade de abraçá-lo. Mas claro, eu não poderia chegar e fazer tudo isso do nada, seria estranho e até assuntador. 
   Eu ficava olhando para ele todos os dias, e tudo que eu pensava era "Não olhe agora, estou olhando pra você", porque não queria que ele percebesse que eu não conseguia mais desviar o olhar. Era automático e mais forte do que a minha vontade. Mas ao mesmo tempo eu torcia para que ele olhasse para mim de volta. 
   Durante todos esses olhares, comecei a perceber que era correspondida. Mas não sabia o que ele pensava ao me olhar. Afinal podiam ser tantas coisas: me achar bonita, feia, estranha, quieta, tímida, ou até mesmo poderia estar só esperando eu olhar pra ele outra vez. 
   Depois de bastante tempo (ao menos pra mim, que já não aguentava mais esperar), eu tomei a atitude de conversar com ele, e ele já não parecia mais "fugir" de mim. Até parecia gostar. E eu não parei, finalmente estava me aproximando daquele menino que a tanto tempo roubou minha atenção só pra ele. Nós conversamos, e numa troca seguida de "indiretas" acabamos decidindo ficar. 
   Nessa história de "ficar" começou o meu medo. E se eu me apagasse? E se a gente ficasse e ele não quisesse mais falar comigo? E se ele pensasse que eu ficava com vários, e era do tipo "fácil"? Várias dúvidas começaram a rondar a minha mente...
   E aconteceu, em um dia qualquer, numa esquina qualquer, o primeiro beijo... Aquele inesquecível, no lugar que veio a se tornar o local em que ele me deu a nossa aliança de namoro. O casal que ninguém (exceto eu) imaginaria deu certo. Com brigas, discussões, desacordos, e muito... mas muito amor. 
   Agora planejamos o futuro, juntos. Nossa casa, filhos, emprego, quem paga as contas, qual cachorro vamos ter. E  sabe qual o melhor? Ainda me sinto como no primeiro dia em que eu o vi. Encantada com o seu sorriso, suas covinhas, seus olhos, seu jeito, principalmente quando ele diz: "Eu te amo, minha pequena linda". 

3 comentários:

Carol :3 on 2 de maio de 2013 10:17 disse...

Nossa, que texto lindo OMG! :3
-
Garota-de-pantufas.blogspot.com.br
Segue lá se gostar, amei aqui! tô seguindo! :3

Monyque Evelyn on 3 de maio de 2013 19:08 disse...

Que lindo, foi você que fez?
Amei o blog, já estou seguindo (:

http://devaneiosdeuma-adolescente.blogspot.com.br/

Não Tão Básica on 7 de maio de 2013 16:30 disse...

Ount que história linda, é seu? É sua história? Me emocionei com ela!!!

Postar um comentário

Seu comentário sempre será muito bem-vindo aqui. Deixe suas sugestões, críticas, elogios, dúvidas, etc. E se me seguir avise, que eu sigo de volta e retribuo a visita com o maior prazer.

"Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro."
— Clarice Lispector

 

Garota Lunática Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos